19 abril, 2017














Folha de Caruaru

Mesmo com a violência em alta em Caruaru, o policiamento durante as festas de São João terão hora para acabar. A portaria da Secretaria de Defesa Social (SDS), com regras para a segurança no período junino, também determinou restrições aos horários de atuação da Polícia Militar.

De 2 de junho a 2 de julho, período que antecede o São João, os locais de festas terão policiamento das 10h às 17h e das 20h à meia-noite. Somente nos dias 23 e 24 de junho, dias oficiais de São João, é que o horário de atuação da PM será um pouco maior. Ao invés da meia-noite, a polícia atuará até as 2h da manhã. Os horários do policiamento ostensivo, que ocorre 24 horas por dia, cobrindo todo o território pernambucano, continua normal.

Vale ressaltar que, conforme destaca o artigo 3º da portaria, os horários podem ser ajustados, em comum acordo, e isso já está previsto para algumas apresentações artísticas e culturais de grande porte, a exemplo das que ocorrem em Caruaru.

A normativa regula a duração de grandes eventos e shows contratados pelas prefeituras, como ocorre todos os anos e também em outras festas do calendário oficial, garantindo a segurança necessária para que a população brinque a festa junina com tranquilidade, como já é uma tradição em Pernambuco.

INSEGURANÇA – Recentemente Caruaru foi apontada pela revista britânica, The Economist, como uma das cidades mais perigosas do mundo. De Janeiro a Março de 2017, foram registrados 70 homicídios em Caruaru, segundo dados da Secretaria de Defesa Social (SDS).

“Nos últimos anos já tinha medo de sair de casa para as festas, agora o medo toma conta, na situação em que se encontra Caruaru”, falou o estudante, Matheus Júnior.

Para o sociólogo, André Pereira, as restrições de horário do policiamento, aumenta a sensação de insegurança. “O período junino em Caruaru sempre teve um aumento no fluxo de pessoas na cidade, agora com a decisão da Secretaria de Defesa Social que cria uma restrição no horário de atuação da Polícia Militar nas festas, acaba gerando um clima maior de insegurança em toda a cidade, que já vem sofrendo com o elevado número de homicídios e roubos”, afirmou.

É fundamental reforçar ainda que o policiamento ordinário, que recobre as vias públicas das 184 cidades pernambucanas mais Fernando de Noronha, não está atrelado a essa portaria. E que será apresentado à imprensa, no próximo mês, todo o plano de ação da Segurança Pública para o período junino.